Quinta de La Rosa apresentou novas colheitas

A Quinta de la Rosa não pára. Depois da inauguração do restaurante há cerca de um ano e do lançamento de uma linha de cervejas artesanais, foram recentemente apresentados, em Lisboa, os novos vinhos tranquilos, isto é, não fortificados.

A La Rosa foi uma das primeiras quintas a fazer estes vinhos, no início da década de 1990, com o apoio enológico do David Baverstock (há quase 30 anos a trabalhar no Esporão, onde é o actual director da enologia). A direcção da quinta pertence a Sophia Bergqvist, que tem o apoio do pai Tim (um dos vinhos provados tem o seu nome e é uma homenagem), do irmão Philip e do filho mais velho Kit Weaver. Jorge Moreira é o enólogo e o principal apoio/suporte dos vinhos da quinta (vim a saber que é ele que também colabora na feitura dos lotes da cerveja). Vamos, então, aos vinhos provados:

La Rosa branco 2017, foram feitas 17 500 garrafas, preço 7€, 12,5% de álcool, acidez total 5,3 g/l, pH de 3,37. Castas: predominância de Viosinho, Códega do Larinho, Rabigato e Gouveio. O vinho ainda tem as notas aromáticas de frutos tropicais muito vivas, mas  bebe-se com agrado. É um vinho de inox, fresco a pedir pratos leves e dias mais quentes.

La Rosa Reserva branco 2017, foram feitas 15 000 garrafas, preço 11€, 13% de álcool, acidez total 5,6 g/l  e pH de 3,8. Castas: Viosinho e uvas de vinhas mais velhas. Parte do vinho (20%) foi estagiado em barricas de  carvalho francês de 500 litros. Boa intensidade aromática, fruta madura, frescura, algum tropical. Notas de madeira muito discretas que envolvem o vinho e possibilitam um conjunto final muito agradável.

VINHO, ESTÚDIO, QLR, LA ROSA, WHITE, RESERVA, 2016, 75clLa Rosa Reserva tinto pequenaTim Grande Reserva branco pequenaVINHO, ESTÚDIO, Quinta LA ROSE, VINTAGE PORT 2012, Estate Bottled in 2014

Tim branco 2017, foram feitas 4000 garrafas, preço 40€, 12,5% de álcool, acidez total 6,62 g/l  e pH de 3,13. Castas: Viosinho Gouveio e Arinto. Este vinho é proveniente de uvas de vinhas velhas e é uma homenagem ao pai de Sophia. Está bem estruturado, mas só ganhará se for convenientemente guardado por um ou dois anos.

La Rosa rosé 2017, foram feitas 6600 garrafas, preço 7€, 13,5% de álcool, acidez total 5,0 g/l  e pH de 3,50. Castas: Vinha velha (40%), Touriga Nacional (30%), Tinta Roriz (20%) e Touriga Franca (10%). É um vinho de sangra, mas os 13,5€ de álcool não pesam. Se o bebermos entre os 10 e os 12º, com o copo tapado, a primeira impressão é que se trata de um branco, mas depois o ADN do tinto sobrepõe-se. Um rosé muito agradável para acompanhar comida.

La Rosa tinto 2016, foram feitas 120 000 garrafas, preço 10€, 13,4% de álcool, acidez total 5,1 g/l  e pH de 3,63. Castas: Touriga Nacional (60%), Vinha Velha (15%), Touriga Franca (12%), Tinta Roriz (8%) e Sousão (5%). Parte do vinho passou por barricas usadas. Tem a fruta muito viva, boa concentração. Ligeiro fumado, que lhe dá graça,. É um vinho delicado, que fará boa figura à mesa.

La Rosa Reserva tinto 2016, foram feitas 11 000 garrafas, preço 28€, álcool n.d., acidez total n.d. g/l  e pH n.d. Castas: Touriga Nacional (60%) e mistura de castas provenientes de Vinhas Velhas (40%).  Esta colheita foi provada ainda sem estar engarrafada, mas já está pronta para isso. É um vinho muito complexo, fruta com o floral da Touriga a marcar o conjunto. Boa madeira e belo final de boca.

La Rosa Porto Vintage 2016, foram feitas 10 000 garrafas (375 ml), preço 50€, 19,8% de álcool, acidez total 4,8 g/l  e pH de 3,6. Castas: Vinhas Velhas, Touriga Nacional, Touriga Franca e algum Sousão de “letra A”, provenientes dos mais antigos patamares da Quinta de la Rosa. 

 QUINTA DAS BANDEIRAS :: TORRE DE MONCORVO :: DOURO SUPERIOR

Foram também provados dois reserva, um branco e um tinto Passagem, que provêem da Quinta de Bandeiras, uma propriedade de 100 hectares localizada no Douro Superior na margem direita do rio e perto do Pocinho, em frente ao famoso Vale Meão, propriedade de onde, durante muitos anos, saíram as uvas para fazer os famosos Barca Velha. A Quinta das Bandeiras foi comprada pela familia Bergqvist  (Quinta de la Rosa) em 2005, o vinho é uma aventura conjunta entre o Jorge Moreira (Poeira) e a familia Bergqvist.

Passagem Reserva branco 2017, foram feitas 5200 garrafas, preço 11€. Castas: Vinhas Velhas, com predominância de Viosinho, Gouveio, Rabigato e Códega do Larinho. As uvas fermentam com as películas durante 2/3 dias e só depois vão para a prensa. Tem classe, não é muito exuberante, com fruta branca e um final a lembrar pêra. Um belo vinho branco.

Passagem Reserva tinto 2016, foram feitas 10 000 garrafas, preço 16€. Castas: Touriga Nacional (70%), Touriga Franca (25%) e Sousão (5%) As uvas são provenientes de vinhas plantadas em 2005, é um vinho mais jovem, mais raçudo, tem os taninos mais presentes e notas de especiarias. Estagiou em barricas de 220 litros.

Passagem Reserva branco pequena

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s