Na Herdade Grande a família Lança espera por si

Pertinho da Vidigueira a Herdade Grande promete~lhe um dia bem passado com passeio pelas vinhas, visita à adega, prova de vinhos em harmonização com a gastronomia regional, ou um almoço à mesa com a família Lança. No limite um pic-nic ao fim da tarde tendo por cenário as vinhas e os montados desta propriedade onde a família Lança recentemente comemorou um século de produção de vinhos. Para assinalar esta data foram lançadas edições limitadas dos Amphoras e do Sousão .

Todo este programa está desenhado tendo em atenção as novas necessidades impostas pela pandemia, com a certificação Clean&Safe do Turismo de Portugal. As experiências são adaptadas a cada visita e possíveis, até, aos sábados e domingos, mediante marcação prévia através do email geral@herdadegrande.com ou dos telefones 284 441 712 / 913 081 958 / 916 603 166.

Sobre este programa de enoturismo Mariana Lança, diretora geral e quarta geração da Herdade Grande, afimou “Estamos numa época de regresso às experiências mais genuínas e a Herdade Grande é um campo de possibilidades para isso mesmo. Queremos simplesmente partilhar o melhor que esta terra da Vidigueira nos dá, desde os vinhos e gastronomia, à incrível paisagem e ao Sol alentejano, sempre num ambiente familiar, com grande segurança e tranquilidade. Continuamos uma empresa familiar, um pouco como quando o meu bisavô aqui se estabeleceu, em 1920 e, no fundo, as experiências que oferecemos são a extensão disso mesmo”.


Chefe Pedro Mendes e Vinhos Quinta do Quetzal sexta-feira no Restaurante Panorama do Sheraton

Na próxima sexta-feira, 29 de Junho, o chefe Pedro Mendes da Quinta do Quetzal é o convidado para os já tradicionais jantares gastronómicos do Restaurante Panorama do Hotel Sheraton, em Lisboa.

“Todos os meses convidamos quintas que se estão a diferenciar no panorama nacional para trazerem ao nosso restaurante os seus vinhos e os seus chefs de modo a proporcionarmos aos nossos clientes uma experiência diferenciadora”, refere António Pereira, director Sheraton Lisboa Hotel & Spa. Por seu turno o chefe Pedro Mendes referiu: “O meu objectivo é apresentar um menu que reflicta o trabalho que tenho desenvolvido na Quinta do Quetzal, utilizando sempre os produtos da região”.

Com um valor de 59€ por pessoa, com vinhos incluídos, o menu inclui: Boas vindas com Quetzal Brut 2014; Croquete de farinheira preta e mostarda de pimento, ervilha e hortelã, acompanhado de Guadalupe rosé 2017; Queijo de cabra, uvas e beldroegas, servido com Guadalupe Winemaker’s Selection branco 2016; Cação em tomatada e poejos com, Quetzal Reserva branco 2014; Lombinho de porco Alentejano com fumados, bolota e túbaras, em maridagem com Quetzal Reserva tinto 2015 e Laranja em sete texturas e hortelã da ribeira, a fazer dueto com Quetzal Rich white 2014.

A Quinta do Quetzal situa-se na encosta sul da serra de Portel, na Vidigueira, mais propriamente na freguesia de Vila de Frades, próximo das ruínas da antiga villa romana de S. Cucufate, que serviu de inspiração para a adega,

Os proprietários, Cees e Inge de Bruin são grandes coleccionadores e mecenas de arte contemporânea e mantêm há mais de 40 anos uma forte ligação a Portugal.

Quanto ao chefe Pedro Mendes, é natural de Lisboa, começou a carreira no Algarve, passou pelo Hotel Marmoris em Vila Viçosa e agora, para além da cozinha da Quinta do Quetzal oficia no Maria Pia, no Clube Náutico de Cascais, para além de ter voltado como consultor ao hotel de Vila Viçosa.


Adega Coop. da Vidigueira homenageia Vasco da Gama com o vinho tinto 1498

É uma série absolutamente limitada a 1498 garrafas o deste vinho tinto que a Adega Cooperativa da Vidigueira, Cuba e Alvito (ACVCA) lançou no início deste mês de Junho para homenagear Vasco da Gama e a data da sua chegada à Índia, na primeira viagem que o navegador fez para estabelecer a rota marítima entre a Europa e o Oriente.

A festa de lançamento teve lugar no Convento das Relíquias, edifício inserido no perímetro da Quinta do Carmo em Vidigueira, em cuja igreja o célebre navegador esteve sepultado.

Este vinho tinto que a ACVCA decidiu produzir, teve um longo período de amadurecimento e gestação desde a ideia inicial, que começou já há uns anos1498nobackground. Será o topo de gama de todos os vinhos da Adega, terá (como referimos) uma edição limitada e será vendido dentro de uma mini arca de madeira de nogueira polida. Cada conjunto custará 90 euros.

«Quisemos fazer uma embalagem especial, para um vinho deveras especial, que conquistará uma franja de amantes de um produto único e inimitável. Será de facto um vinho para verdadeiros apreciadores também eles pessoas muito especiais», diz com indisfarçável orgulho, José Miguel d’Almeida, o presidente da Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito.

“Fazer este vinho foi uma aventura inebriante», confessou o engº Luís Morgado Leão, o enólogo responsável.

A adega abre a possibilidade de coleccionadores ou simples interessados poderem desde já fazer a reserva de certas garrafas numeradas, ficando assim com a possibilidade de escolher certos números, que signifiquem datas, referências ou momentos especiais para si, ou até ofertas para algum familiar ou pessoas dos seus contactos.

Os interessados deverão formalizar os pedidos através do email info@adegavidigueira.pt , fornecendo também a indicação do nome que deverá ser gravado no certificado de posse que acompanhará cada garrafa.

Vasco da Gama, que é o patrono da ACVCA, recebeu como presente o título de Conde de Vidigueira por parte do rei D. Manuel I, após ter chegado a Calecute na Índia em 21 de Maio de 1498. Falecido em Cochim, a 24 de dezembro de 1524, seria sepultado a seu pedido no Convento das Relíquias em Vidigueira em 1539.

Sobre a Adega Cooperativa de Vidigueira Cuba e Alvito

A Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito foi fundada em 1960 e iniciou a sua atividade em 1963, mas a sua cronologia vai muito para além dos seus 58 anos de existência.

As suas raízes entrelaçam-se com a história da própria vila, e com Vasco da Gama – o Conde de Vidigueira, a quem D. Jaime, Duque de Bragança cedeu a vila em 1519. Assim surgiram as primeiras ligações da Vidigueira com a família dos Gama.

Quase 60 anos depois de ser fundada, a Adega pretende cumprir a promessa de descoberta e afirmação da região da Vidigueira tão vincada pela cultura do vinho, numa viagem que aproxima a Adega e a sua vila a Vasco da Gama e a conquistas de outros tempos.

1498nobackground