Casa Museu José Maria da Fonseca com recorde de visitantes

Casa Museu JMFO número de visitantes da Casa Museu da José Maria da Fonseca, em Vila Nogueira Azeitão, voltou a crescer em 2017 registando um novo recorde. O enoturismo recebeu 41 mil visitantes, originários de mais de 80 países. Portugal representa 28% do total de visitantes, seguido dos EUA, Brasil, Alemanha, França, Reino Unido, Rússia e Suécia.

Para Sofia Soares Franco, Responsável de Enoturismo e Comunicação da José Maria da Fonseca “Estes números confirmam que a aposta e o investimento contínuo na oferta enoturistica da José Maria da Fonseca são o caminho. O enoturismo é simultaneamente uma ferramenta fortíssima de marketing e uma área de negócio que tem um produto forte e dinâmico”. Sofia aponta ainda que “a Casa Museu tem beneficiado do excelente momento que o turismo em Portugal vive e da proximidade a Lisboa”.

Na Casa Museu de José Maria da Fonseca é possível visitar as seguintes adegas: a Adega da Mata, onde estagia o vinho Periquita, a Adega dos Teares Novos, onde decorre a Confraria do Periquita, e a Adega dos Teares Velhos, onde repousam os moscatéis mais antigos da casa. No final da visita, é oferecida uma prova de vinhos, ou vinhos e gastronomia.

A José Maria da Fonseca é uma família de vinhos com quase 200 anos de história que proporciona experiências de degustação vínicas e gastronómicas através da sua Casa Museu. As visitas guiadas nas suas instalações em Vila Nogueira de Azeitão são realizadas desde os anos 60, sendo que a partir de 2007 se separou a área de negócio.

A Casa Museu está aberta diariamente, inclusive fins-de-semana e feriados com serviços variados como visitas guiadas, provas de vinhos e degustação de iguarias regionais, almoços/jantares/cocktails e reuniões de empresa.

As reservas deverão ser dirigidas a enoturismo@jmfonseca.pt ou (+351) 212 198 940.

jose_m_fonseca9


José Maria da Fonseca prepara Dia do Pai com programa vínico e cultural

jardins baixaA José Maria da Fonseca quer proporcionar, este ano, um Dia do Pai muito especial. Sabe-se que a tradição portuguesa instituiu o dia 19 de Março como o dia do pai, que este ano calha a uma segunda-feira, dia de trabalho para a maioria. Assim sendo, na José Maria de Fonseca a data comemora-se no dia 24, um sábado, com um programa vínico e cultural muito completo. Nesse dia as visitas guiadas de Enoturismo à Casa Museu José Maria da Fonseca, em Azeitão, e à Adega José de Sousa, em Reguengos de Monsaraz, são gratuitas e incluem uma prova de 2 vinhos.

Em Azeitão

Na visita à Casa Museu José Maria da Fonseca, os visitantes podem descobrir o belo edifício construído no séc. XIX e o jardim perfeitamente cuidado, apreciar três adegas históricas (Adega da Mata, Adega dos Teares Novo e Adega dos Teares Velhos), além de ficarem a conhecer mais sobre a história da empresa. A visita termina na loja de vinho, onde além de todo o portefólio de vinhos da José Maria da Fonseca, os visitantes têm à sua disposição produtos gourmet regionais (queijos, compotas, Esses de Azeitão e outras iguarias).

Em Reguengos de Monsaraz

Créditos Jerónimo Heitor de Sousa_JSO2baixaSe estiverem pelas bandas do Alentejo ou quiserem rumar até Reguengos de Monsaraz, os visitantes podem apreciar duas adegas com estilos muito distintos mas que combinam na perfeição a tradição com a inovação: na Adega dos Potes estão localizadas 114 ânforas de barro, com um método de fermentação ancestral e raríssimo que já vem de há mais de dois mil anos, do tempo de gregos e romanos, e na Adega Moderna onde estão 44 tanques de inox com toda a tecnologia moderna de vinificação indispensável para a produção de vinhos brancos e tintos.

Note que os dois programas de visitas de Enoturismo para o Dia do Pai estão limitados: a 50 pessoas (Casa Museu José Maria da Fonseca) e 40 pessoas (Adega José de Sousa), mediante reserva prévia.

Os programas de visita no sábado, 24 de Março às duas adegas são os seguintes:

Casa Museu José Maria da Fonseca, Azeitão (Sábado, 24 de Março, às 11h), visita guiada com prova de 2 vinhos gratuita para visitantes acompanhados pelo pai

Reserva prévia para enoturismo@jmfonseca.pt ou 212198940 (Oferta limitada até 50 pessoas)

Adega José de Sousa, Reguengos de Monsaraz (Sábado, 24 de Março, às 11h), visita guiada com prova de 2 vinhos gratuita para visitantes acompanhados pelo pai

Reserva prévia para josedesousa@jmfonseca.pt ou 266502729 (Oferta até 40 pessoas)


Quinta da Boa Esperança anima jantar no Egoísta, o restaurante do Casino da Póvoa dia 8 de Março

A Quinta da Boa Esperança é o produtor convidado para o próximo jantar vínico no Egoísta. Este jantar, no restaurante do Casino da Póvoa do Varzim, será no dia 8 de Março, a propósito do Dia da Mulher. A enóloga da Boa Esperança (Região de Lisboa), Paula Fernandes, irá estar presente para falar um pouco do projecto e explicar as harmonizações feitas com o menu desenvolvido pelo chefe Hermínio Costa.

“Achámos muito interessante levar estes vinhos diferenciadores da região de Lisboa para harmonizar um jantar que acreditamos que irá surpreender com os pratos do chef Hermínio Costa”, refere a enóloga.

O jantar terá um preço de 45€ por pessoa, o menu é composto por:

No Bar – Quinta da Boa Esperança Rosé 2016

– Lagostins e Geleia de Espargos Verdes – Quinta da Boa Esperança Sauvignon Blanc 2016

– Rodovalho de Mar, Nage de Amêijoas e Legumes Baby – Quinta da Boa Esperança Reserva 2016

– Pintada, Cogumelos Brancos, Jus de Pintada e Vinho do Porto – Quinta da Boa Esperança Alicante Bouschet 2015

– Chocolate Negro, Chocolate Branco, Framboesas e Água de Rosas – Quinta da Boa Esperança Syrah 2015

As reservas podem der feitas pelo telefone 252 690 888

Quinta da Boa Esperança – Colheita Branco PVP 7,25€   Quinta da Boa Esperança – Sauvignon Blanc 11,20€  Quinta da Boa Esperança – Alicante Bouschet 2015 PVP 14,90€  Quinta da Boa Esperança – Syrah 2015 PVP 14,90€


Opel Combo Life: um automóvel compacto a pensar nas famílias

Com lançamento previsto para a segunda metade deste ano (embora as encomendas possam fazer-se dentro de pouco tempo), a Opel acaba de desvendar o Combo Life, um multifacetado veículo de passageiros.

Como se sabe a Opel foi comprada exactamente há um ano pelo Grupo PSA (Peugeot e Citroën) e, por isso nada há que estranhar se se disser que o Opel Combo Life é gémeo do Citroën Berlingo e do Peugeot Partner. É verdade que partilha a mesma plataforma desses dois carros franceses, mas apresenta uma estética e tecnologias muito próprias da marca alemã.

Esta quinta geração da Opel Combo é um automóvel de vocação marcadamente familiar, disponível em dois comprimentos de carroçaria (4,40m e 4,75m), com duas ou três filas de bancos, portanto com capacidade para cinco ou sete passageiros. Pode ser equipada com uma ou duas portas laterais de correr. Também o banco traseiro pode ter as costas com uma partição 60/40% ou ter três assentos individuais, todos com fixação isofix, garantidamente seguros para o transporte de crianças.

O espaço para bagagem é generoso, com a versão mais curta a oferecer um mínimo de 597 litros, enquanto a versão mais longa (com a terceira fila rebatida) proporciona um mínimo de 850 litros. Com os bancos da segunda fila rebatidos as capacidades sobem, respectivamente para 2126 e 2693 litros.

Equipamento vanguardista em boa escala

Segundo o comunicado da Opel, a nova Combo Life tem um equipamento que a leva a novos patamares de segurança e conforto dentro deste segmento.

Estará dotado de tecnologias e sistemas de assistência à condução bem conhecidos das classes de automóveis compactos ou dos SUV, como o Head up display (semelhante ao já utilizado há uns anos em modelos Peugeot) e que reduz o risco de distracção ao projectar as informações mais importantes num pequeno ecrã localizado na linha de visão do condutor, o Alerta de Colisão Dianteira com detecção de peões e Travagem Automática de Emergência, que além de accionar alertas sonoro e visual,

funciona automaticamente a velocidades superiores a 5 km/h e inferiores a 85 km/h (reduzindo drasticamente a velocidade do veículo ou parando-o mesmo) quando a distância para o veículo da frente se reduz rapidamente e o condutor não reage.

O sistema de câmara dianteira Opel Eye, já conhecida de modelos como o Astra, Corsa e Mokka X, que recolhe permanentemente dados que são processados por dispositivos de assistência como o Reconhecimento de Sinais de Limite de Velocidade e de Manutenção de Faixa.

O Programador de Velocidade Automático ajusta a velocidade em função da distância para o veículo que circula à frente.

A Regulação Inteligente da Velocidade informa quando surge um novo limite de velocidade detetado pelo Reconhecimento de Sinais de Limite de Velocidade. Se o Programador de Velocidade ou o Limitador de Velocidade estiverem ligados, o sistema pergunta se o condutor deseja que a velocidade seja ajustada em conformidade.

O Alerta de Cansaço do Condutor procede a uma avaliação do nível de fadiga mediante o tipo de condução adotado e sugere uma paragem para descanso.

Para facilitar as manobras de estacionamento existem os Sensores de Flanco que são uma novidade no conjunto de sistemas da Opel de ajuda ao estacionamento e às manobras. Funciona em manobras a baixa velocidade e avisa quando os lados do automóvel estão demasiado próximo de pilares, barreiras,

paredes ou outros veículos. Quanto à Câmara Traseira Panorâmica, alarga o ângulo de visão para trás para 180 graus, o que permite, em manobras de marcha-atrás, visualizar tráfego que se aproxima dos dois lados.

A Assistência Avançada ao Estacionamento é capaz de identificar espaços de estacionamento adequados e estaciona o automóvel automaticamente, procedendo também às manobras de saída.

O controlo de tração Intelligrip, conhecido do Opel Grandland X, também pode ser montado no Combo Life e é muito útil para estradas escorregadias, quer por lama, quer por neve ou por gelo.

Os sistemas de informação e entretenimento compatíveis com Apple CarPlay e Android Auto, comandados através de ecrãs tácteis que podem ir até oito polegadas de diagonal também vão estar presentes.

O recarregamento sem fios de baterias de telemóveis compatíveis também é possível numa placa de indução situada na consola central, sob os comandos do ar condicionado.

Ainda se não conhece em pormenor a gama de motorizações, sabendo-se que terá versões a gasóleo e gasolina com motores com turbocompressor e injecção directa, acoplados a caixas manuais de cinco ou seis velocidades. Haverá ainda a entrada no segmento de uma inédita caixa automática de oito velocidades, que ficará disponível em opção. Não foram revelados preços.

New Opel Combo Life


Chefe Vítor Matos reinventa lampreia do Minho em jantar no Hotel Monte Prado, em Melgaço, dia 3 de Março

Não há meio termo em relação à lampreia: ou se gosta ou se detesta. Para os amantes incondicionais deste ciclóstomo, um dos animais mais velhos à face do planeta Terra, o chefe Vitor Matos (Estrela Michelin com o Antiqum, no Porto, e responsável pela cozinha do Palace de Vidago) vai preparar um menu exclusivo com pratos desenvolvidos exclusivamente para o evento. Serão servidos quatro pratos para harmonização com um vinho diferente, nomeadamente os alvarinhos Quintas de Melgaço, Reguengo de Melgaço, Castaboa e Soalheiro. Para acompanhar o momento estará também à mesa um outro produto endógeno de grande qualidade, as Águas de Melgaço.

Ler Mais


Enoturismo do Alentejo em destaque na BTL de 28 de Fevereiro a 4 de Março

Os Vinhos do Alentejo, através da sua Rota dos Vinhos, vão estar presentes na 30ª edição que é, também, simultaneamente o 30º aniversário da BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa – o evento de turismo mais importante do país, que terá lugar na FIL de 28 de Fevereiro a 4 de Março.

 

Para Francisco Mateus, Presidente da CVRA “A BTL é o evento de turismo de referência em Portugal e, por isso, a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) tem o dever de integrar o conjunto de agentes turísticos da região que irão marcar presença no evento. Mais do que marcar presença, esta feira é uma oportunidade importante para potenciar e promover novos negócios para a região do Alentejo. Queremos dar a conhecer, a profissionais e turistas, as potencialidades do Alentejo enquanto destino de Enoturismo.”

 

Esta participação resulta de uma colaboração entre a Rota dos Vinhos do Alentejo, um conjunto de unidades de Enoturismo aderentes à Rota e conta com o apoio da ERT – Entidade Regional de Turismo do Alentejo/Ribatejo. Espaço integrado no stand da ERT, a presença conjunta tem como principal objetivo reforçar o trabalho que tem vindo a ser feito na promoção do Alentejo enquanto destino enoturístico.

 

Em complemento, no dia 1 de Março, o Enoturismo Alentejano será tema de destaque na BTL com uma apresentação que irá decorrer pelas 11 da manhã no espaço destinado às apresentações, integrado no stand Alentejo/Ribatejo. Momento de destaque em que, através da apresentação conjunta, será dado a conhecer aos presentes a enorme potencialidade enoturísitica da região, que associada a outros aspectos, tal como a monumentalidade, natureza, gastronomia, cultural entre outros, fazem com que o Alentejo se torne numa região atractiva e bastante diversificada.

 

As unidades de enoturismo presentes serão: Adega Cartuxa, Adega Mayor, Casa Relvas, Herdade da Malhadinha Nova, João Portugal Ramos Vinhos, Quinta do Quetzal, Tiago Cabaço Wines e Torre de Palma – Wine Hotel, uma oferta bastante diversificada, sólida e integrada.

 

Os primeiros três dias da BTL serão exclusivos a profissionais, com horário entre as 10 e as 7 da tarde. Na sexta-feira, dia 2 de Março, entre as 10 da manhã e as seis da tarde também será exclusiva de profissionais, abrindo a essa hora ao público em geral e funcionando até às 11 da noite. Sábado (3 de Março) está aberta ao público em geral entre o meio-dia e as 11 da noite e no domingo (4 de Março) entre o meio-dia e as 8 da noite.

 

Para os profissionais ligados ao sector do turismo, a BTL é uma oportunidade para encontrar compradores profissionais, para conhecer a concorrência, para analisar a tendência dos mercados e posicionar a sua oferta de uma forma inovadora e competitiva.

Para o público, constitui a oportunidade de conhecer novos destinos e soluções, de comparar propostas e comprar a preços altamente competitivos. Tudo isto num ambiente muito animado, onde a música e a gastronomia marcam também presença.

 

Acrescente-se que a CVRA – Comissão Vitivinícola Regional Alentejana é um organismo de direito privado e utilidade pública que certifica os vinhos DOC Alentejo e os vinhos Regional Alentejano. É responsável pela promoção dos Vinhos do Alentejo, no mercado nacional e em mercados-alvo internacionais. A sua actividade é financiada através da venda dos selos de certificação que integram os contra-rótulos dos Vinhos do Alentejo. A CVRA foi criada em 1989.


A Boa Esperança de um vinho de qualidade em Torres Vedras

A Quinta da Boa Esperança é um projecto familiar de produção de vinho, que nasce da vontade de criar um espaço contemporâneo que seja o reflexo do seu modo de pensar e de viver, num ambiente histórico e rural. De consciência ambiental bastante marcada, com o compromisso de garantir o bem-estar das suas vinhas durante todo o ano, o respeito e a responsabilidade com a natureza e a sua feliz coexistência com o Homem, são alguns dos objectivos da marca.

A sustentabilidade, a qualidade e a exclusividade que envolvem todo o processo, desde a apanhada uva ao consumidor final, são os pilares deste projecto, criado em 2015, no concelho de Torres Vedras, região vitivinícola de Lisboa, uma das maiores regiões produtoras de vinho a nível nacional e das mais extensas áreas vinícolas do país.

 

A Quinta da Boa Esperança é um projecto familiar nascido em 2015 resultado da paixão pelo campo e pelos vinhos do casal Eva Moura Guedes e Artur Gama.

Está situada na localidade da Zibreira, freguesia da Carvoeira, concelho de Torres Vedras e, depois de ter mostrado à imprensa e bloguers, há cerca de dois meses, os vinhos da sua primeira colheita, a de 2015, vai brevemente lançar os de 2016.

Há alguns anos ligado ao comércio internacional de vinhos, o que o obrigava a viajar permanentemente, Artur Gama quis assentar arraiais e passar mais tempo com a família, nomeadamente depois do nascimento da filha. A oportunidade surgiu com a compra desta propriedade, há muito produtora de uvas que não eram vinificadas no local, mas sim entregues a uma cooperativa. Artur e Eva escolheram para a Quinta um nome auspicioso, o de Boa Esperança, que tal como o cabo de África onde os Oceanos Atlântico e Índico se juntam, primeiro foi muito trabalhoso, mas depois abriu as portas para um futuro que se adivinhava risonho.

Artur e Eva, com uma consciência ambiental bastante marcada procuram manter com a natureza um diálogo de respeito e responsabilidade que assegure o bem-estar das suas vinhas durante todo o ano. A ideia é irem subindo a pouco e pouco até

Abandonarem já este ano os herbicidas e, se tudo correr bem, chegarem à verdadeira agricultura biológica (não se recorre à aplicação de pesticidas nem adubos químicos de síntese, nem ao uso de organismos geneticamente modificados).

Neste momento a quinta dispõe de 8 hectares de vinha em produção, 9 hectares de vinha plantados e, a curto prazo, a possibilidade de plantação de mais 1,5 hectare.  A localização da Quinta da Boa Esperança é numa encosta com direcção nascente/poente, uma das melhores exposições solares possíveis para a maturação das castas tintas. Os solos argilo-calcários e a localização, a cerca de 20km da costa atlântica, conferem às castas brancas uma salinidade, mineralidade e frescura bastante marcadas, como aliás é apanágio dos brancos da região Lisboa.

A enologia está a cargo da enóloga residente Paula Fernandes e do enólogo Rodrigo Martins.

A adega, embora ainda não esteja definitivamente recuperada já está convenientemente equipada, dizem os enólogos. Obras noutras construções, como a casa da quinta, que permitirá aos proprietários nela residir ainda estão em curso.

 

Na visita que fizemos em Novembro de entre os vinhos provados destacamos os seguintes, todos eles Regional Lisboa:

 

Quinta da Boa Esperança – Colheita Branco PVP 7,25€Quinta das Boa Esperança branco 2016, feito de Fernão Pires e Arinto, está muito composto e harmonioso quer de aroma quer na boca, com boa acidez. (13% de álcool, um total de 8 mil garrafas com PVP 7,25€)

 

Quinta da Boa Esperança – Fernão Pires PVP 11,20€Quinta da Boa Esperança Fernão Pires branco 2016, um bonito exemplar da casta. Boa fruta, sem exuberâncias, bom volume na boca. Pode envelhecer bem um par de anos. (13,5% de álcool, um total de 35 mil garrafas com PVP 11,20€)

 

Quinta da Boa Esperança – Sauvignon Blanc 11,20€Quinta da Boa Esperança  Sauvignon Blanc branco 2016, um vinho com características da casta (espargos, relva cortada), boa acidez, muito afinado. (13% de álcool, total de 2700 garrafas com PVP 11,20€)

 

Quinta da Boa Esperança – Arinto PVP 11,20€Quinta da Boa Esperança Arinto branco 2016, um vinho que está um pouco fechado, leve toque floral, acidez a pedir companhia de comida. (13,5% de álcool, um total de 3 mil garrafas com PVP 11,20€)

 

Quinta da Boa Esperança Reserva branco 2015, tem na composição uvas Fernão Pires e Arinto. Fermentou em barrica nova. Aroma fino e delicado, complexo. Na boca é fresco, estruturado, intenso, poderia ser menos marcado pela madeira, mas é um belíssimo vinho, com um final longo. (13,5% de álcool, um total de 3 mil garrafas com PVP 17€)

 

Quinta da Boa Esperança Colheita tinto 2015, feito de uvas Aragonez, Castelão e Syrah, frutado, fresco, taninos bem presentes. A pedir comida. (14% de álcool, um total de 10 mil garrafas com PVP 7,25€)

 

 

Quinta da Boa Esperança – Syrah 2015 PVP 14,90€Quinta da Boa Esperança Syrah tinto 2015, vinho muito fresco, com notas de fruta preta e especiarias. Bons taninos e um final delicioso. Foi dos tintos em prova o que mais gostei, uma opinião pessoal que vale o que vale… (14% de álcool, um total de 2800 garrafas com PVP 14,90€)

 

 

Quinta da Boa Esperança Touriga Nacional 2015 PVP 14,90€Quinta da Boa Esperança – Touriga Nacional tinto 2015, cor granada carregada, com nuances cítricas e florais no aroma. Na boca mostra-se um vinho cheio, com bons taninos e um final longo. Liga bem com assados de forno de carnes vermelhas. (14% de álcool, um total de 3200 garrafas com PVP 14,90€)

 

Quinta da Boa Esperança – Alicante Bouschet 2015 PVP 14,90€Quinta da Boa Esperança Alicante Bouschet tinto 2015, este vinho é quase preto, como é natural, vindo de uma casta tintureira. Notas balsâmicas e um leve toque a azeitona no aroma. Na boca é volumoso, boa acidez e taninos bem presentes. (13,5% de álcool, um total 300 garrafas com PVP 14,90€)